Pouca Parra, Muita Uva: Como São Produzidos os Famosos Vinhos do Porto

Gastronomia e Vinhos

2020-04-15

pouca-parra-muita-uva-como-sao-produzidos-os-famosos-vinhos-do-porto
O Vinho do Porto, excecional vinho licoroso produzido nas encostas xistosas do Vale do Douro, é um dos maiores símbolos de Portugal no Mundo inteiro. Mas, qual é o segredo do seu sucesso? Como é produzido e o que faz dele um vinho tão especial? Parta connosco à descoberta deste inigualável néctar e desvende os seus mistérios!

Produzido na Região Demarcada do Douro, localizada no Nordeste de Portugal, na bacia hidrográfica duriense, envolta por montanhas que lhe imprimem características mesológicas e climáticas particulares, o Vinho do Porto é o produto de um saber e arte seculares. É um vinho único, nascido de verões escaldantes e de invernos gélidos.

 

Mas, como se faz o Vinho do Porto?

 

Porto: um vinho sublime de características únicas

Os Vinhos do Porto são o produto de castas diversas e de processos de envelhecimento distintos. Diferenciam-se dos demais vinhos comuns pelas suas características peculiares: uma diversidade de tipos em que surpreende uma riqueza e intensidade de aromas únicos, uma persistência inigualável de aroma e sabor, uma vasta gama de doçuras, uma grande diversidade de cores e o elevado teor alcoólico (entre 19% a 22%).

 

As vindimas: o nascimento do néctar dos Deuses

Entre princípios de setembro e finais de outubro, a Região Demarcada do Douro conhece o ritual mágico e o rebuliço humano próprio das vindimas. Todos os anos acorrem à região grupos de trabalhadores agrícolas que realizam a colheita das uvas.

Tradicionalmente, eram as mulheres que vindimavam e colocavam as uvas nos cestos, enquanto os homens e os mais jovens carregavam os cestos pelas encostas. Os bois foram atualmente substituídos pelos tratores para efetuar o transporte das uvas até às adegas.

 

 

Aqui, as uvas são colocadas em lagares e sofrem a operação de desengace e de pisa (ou esmagamento). Em muitas Quintas, o tradicional grupo de homens que, abraçados em linha e submersos até meio da perna, realizavam a pisa ao som de alegres cânticos, foram substituídos por processos mecânicos. No entanto, existem ainda Quintas que não abdicaram do processo manual, por reclamarem a sua autenticidade e prestígio.

Embarque connosco no nosso Cruzeiro Especial de Vindimas e fique a conhecer todo o processo em primeira mão!

 

A fermentação: o segredo do sucesso

O mosto daqui resultante sofre a fermentação, com as leveduras a transformarem o açúcar em álcool. Este é um momento crucial, visto que é importante que não se deixe que o mosto ultrapasse os 6 a 7 graus Baumé, altura em que se transfere o conteúdo das cubas de vinificação para as de aço ou ainda para tonéis.

 

No momento desejado, o processo de fermentação é interrompido pela junção de aguardente vínica (100 litros por cada 450 litros de mosto) cuja qualidade é previamente reconhecida pelo Instituto de Vinho do Porto. É nesta altura que começa a nascer o mítico vinho do Porto.

 

É, portanto, da junção da aguardente ao mosto que transforma o vinho em Vinho do Porto. Segue-se então o processo de envelhecimento. O vinho mantém-se no Douro durante o Inverno e só é enviado para os entrepostos de Vila Nova de Gaia na Primavera seguinte, onde envelhece em pipas características da região duriense, em tonéis ou cubas.

 

Os lendários barcos rabelo: o transporte dos tempos passados

Antigamente, o Vinho do Porto era transportado do vale do Douro até Vila Nova de Gaia nos típicos barcos rabelos, capazes de comportar de 30 até 70 pipas. Esse meio de transporte foi substituído no século passado pelo comboio e, posteriormente, pelos camiões cisterna.

 

 

Os lindíssimos barcos rabelo, que fizeram parte da história deste vinho e desta cidade, continuam a animar o rio Douro. Não deixe de navegar nestas embarcações típicas, num magnífico Cruzeiro das 06 Pontes, entre as margens do Porto e Vila Nova de Gaia.

 

As Caves de Vila Nova de Gaia: a arte de bem envelhecer

A história do Vinho do Porto acontece em grande parte em Gaia. A eleição desta cidade para o armazenamento do vinho remonta à história da exportação do vinho desde o século XVII, feita por mar. Além disso, as condições climáticas desta encosta virada a Norte permitem que os armazéns atinjam as temperaturas ideais para a preservação das qualidades deste vinho.

 

É aqui que o enólogo toma as grandes decisões, como de declarar ou não um Vintage. De acordo com o tipo de vinho desejado, seleciona-se a natureza e a capacidade dos recipientes e a duração do processo de envelhecimento, que pode estender-se por várias dezenas de anos. Pode-se assim dizer que o Vinho do Porto nasce no Douro, mas é em Vila Nova de Gaia que envelhece, reforçando as suas qualidades naturais únicas.

 

São imensas as companhias que exportam o Vinho do Porto e podem ser encontradas ao longo da encosta ribeirinha de Gaia. Podemos referir, a título de exemplo, as Caves Calem, Burmester, Sandeman, Ramos Pinto, Ferreira ou Taylors, entre tantas outras.

 

 

As Caves do Vinho do Porto, abertas ao público, oferecem um ambiente inesquecível e uma maravilhosa (e obrigatória) viagem pela arte e pelos sabores que envolvem este delicioso vinho. Venha conhecê-las, a bordo no nosso Cruzeiro das Pontes no Douro com Fado.

 

Desfrute, também, de um delicioso cálice do Vinho do Porto a bordo dos nossos Cruzeiros de 1 Dia e sinta a magia deste néctar único, de fama mundial.  

Tânia Nogueira

Publicado por:

Tânia Nogueira

Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao visitar o site está a consentir a sua utilização.
Conheça as nossas Políticas de Privacidade e Cookies aqui