Blog Douro

Castanhas Quentinhas: da Tradição de São Martinho à Festa do Magusto

Publicado por: Daniela Azevedo

Data de Publicação18 outubro 2018

Castinhas Quentinhas - 1 Em Portugal, o outono e a chegada efetiva do tempo frio são comemorados no dia 11 de novembro, Dia de São Martinho. A tradição manda que, de norte a sul, se comam neste dia castanhas assadas, se beba vinho novo e água pé.

E em pleno Rio Douro, a nossa sugestão é mais elaborada e aponta para um magnífico cruzeiro temático. Descubra mais!

 

11 de novembro é o dia em que, tradicionalmente, a família se reúne para celebrar a chegada do tempo frio que se antecipa com as celebrações do São Martinho. Esta celebração tem vários costumes associados que valem a pena lembrar, festejar e saborear…

A lenda remete para Martinho de Tours - um militar, monge, bispo e santo católico, nascido no ano de 316 e falecido a 397.

A lenda de São Martinho conta que, certo dia, o soldado romano de nome Martinho, estava a caminho da sua terra natal. O tempo estava muito frio e Martinho encontrou um mendigo gelado que lhe pediu esmola. Martinho rasgou a sua capa em duas metades e deu uma ao mendigo. De repente o frio parou e o sol quentinho apareceu. Acredita-se que esta mudança no estado do tempo tenha sido a recompensa por Martinho ter sido generoso para com o mendigo.

Castinhas Quentinhas - 2
A Lenda de São Martinho é muito conhecida em toda a Região do Douro

Assim, quase sempre na véspera e no Dia de São Martinho o tempo melhora e o sol aparece, tal como sucedeu com São Martinho. Este acontecimento é conhecido como o “verão de São Martinho”.

É tradição, então, no dia 11 de novembro fazer-se um Magusto que implica assar as castanhas e beber o vinho novo, produzido com a colheita do verão anterior.

Antigamente, e como ainda é possível verificar-se nalgumas localidades mais pequenas, grupos de amigos e famílias juntam-se à volta de uma fogueira onde as castanhas estarão a assar, para também beberem a jeropiga, ginjinha ou água-pé. A batata doce é, igualmente, muito comum nesta altura do ano e pode fazer parte do magusto de São Martinho.

Castinhas Quentinhas - 3
É tradição neste dia as pessosa juntarem-se e assarem castanhas numa fogueira

A água-pé é o resultado da água lançada sobre o bagaço da uva, de onde se retirava o pouco de mosto que aí se mantinha. Esta bebida pode ser consumida em plena fermentação ou, depois disso, adicionando-lhe álcool. Já a jeropiga é preparada adicionando aguardente ao mosto de uva para parar a fermentação, ficando uma bebida mais doce e mais alcoólica que o vinho.

Quando nasce no castanheiro, a castanha está protegida por um revestimento de picos - o chamado ouriço da castanha. Quando chega o outono, o ouriço abre-se e a castanha cai para ser apanhada, podendo ser esta uma das razões pelas quais o fruto sempre esteve associado à celebração deste dia.

Castinhas Quentinhas - 4
Antes de se poder apanhar as castanhas, elas estão protegidas pelos seus ouriços revestidos de picos

A par do que se come, também é tradição o entoar de cânticos e, para uma tradição mais vincada, as brincadeiras entre amigos passam por se enfarruscarem uns aos outros com as cinzas.

Ideal para quem pretende desfrutar de um dia memorável e em convívio é a proposta de um magnífico Cruzeiro de São Martinho para fazer o seu magusto em pleno Douro. Trata-se de um passeio de barco entre o Porto e a Barragem de Crestuma-Lever, com festa e animação a bordo a condizerem com a famosa Tradição. Atenção que esta é uma tarde única e irrepetível, porque este cruzeiro no Douro só se realiza neste 11 de novembro!

Castinhas Quentinhas - 5
E nada melhor para apreciar umas belas castanhas e um copo de jeropiga que um Cruzeiro no Douro

A festa de São Martinho de 2018 pode muito bem ser o seu pretexto para se preparar a preceito, sair um pouco da rotina do dia-a-dia e relaxar por instantes num cruzeiro que ainda lhe proporciona um Porto d'Honra e música com um duo de concertinas a bordo, enquanto se delicia com o Magusto e dá as boas vindas ao tempo frio que é recheado de encantos pelas terras durienses.

Já diz o provérbio: “Se o inverno não erra o caminho, tê-lo-ei pelo S. Martinho”!